top of page
Buscar
  • Foto do escritorSamuel Pedrini

Da faísca ao futuro: a história e evolução da vela de ignição

A história da vela de ignição do carro remonta ao início do século XIX, quando a tecnologia de motores a combustão interna começou a ser desenvolvida. A seguir está uma ordem cronológica dos principais desenvolvimentos na criação da vela de ignição do carro:

  • Descoberta da eletricidade estática - O físico inglês Francis Hauksbee descobriu a eletricidade estática em 1709, que foi um passo importante na compreensão da eletricidade.

  • Criação da primeira vela de ignição - Em 1820, o cientista inglês Sir Humphry Davy criou a primeira vela de ignição para uso em minas de carvão, onde era necessário uma fonte de ignição segura e confiável. Essas velas eram feitas de um fio de platina e eram acendidas por meio de uma bateria elétrica.

  • Desenvolvimento da vela de ignição para motores a combustão interna - Em 1860, o engenheiro francês Étienne Lenoir desenvolveu o primeiro motor a combustão interna. O motor usava gás de iluminação como combustível e tinha uma vela de ignição baseada no projeto de Sir Humphry Davy.


  • Criação da vela de ignição moderna - Em 1902, a empresa alemã Bosch desenvolveu a primeira vela de ignição moderna para uso em motores de combustão interna. As velas de ignição da Bosch usavam uma porcelana especial como isolador, o que permitia que as velas resistissem a altas temperaturas e pressões.



  • Desenvolvimento de velas de ignição de platina - Em 1908, a empresa americana Champion Spark Plug Company desenvolveu a primeira vela de ignição com um eletrodo de platina, o que aumentou a vida útil das velas e melhorou o desempenho dos motores.

  • Desenvolvimento de velas de ignição com isoladores de cerâmica - Na década de 1920, as velas de ignição foram aprimoradas com o uso de isoladores de cerâmica, que eram mais duráveis e capazes de suportar temperaturas mais altas. Essa inovação permitiu que os motores a combustão interna fossem operados com temperaturas mais altas e pressões mais elevadas.

  • Introdução da injeção de combustível - Na década de 1950, a injeção de combustível começou a ser usada em motores a combustão interna, o que melhorou o desempenho do motor e aumentou a eficiência de combustível. Com a injeção de combustível, a quantidade de combustível fornecida ao motor pode ser controlada com mais precisão do que com um carburador.

  • Desenvolvimento de velas de ignição com eletrodos múltiplos - Na década de 1960, as velas de ignição com eletrodos múltiplos foram introduzidas, o que permitiu uma queima de combustível mais completa e eficiente no motor. As velas de ignição de múltiplos eletrodos também reduzem a necessidade de manutenção e aumentam a vida útil da vela.

  • Introdução de velas de ignição com eletrodos de platina e irídio - Na década de 1980, as velas de ignição com eletrodos de platina e irídio foram introduzidas, o que permitiu uma ignição mais eficiente do combustível no motor. As velas de ignição de platina e irídio são mais duráveis e resistentes ao desgaste do que as velas de ignição convencionais.

  • Desenvolvimento da injeção eletrônica de combustível - Na década de 1990, a injeção eletrônica de combustível começou a ser usada em motores a combustão interna, o que permitiu um controle ainda mais preciso da quantidade de combustível fornecida ao motor. Com a injeção eletrônica de combustível, a quantidade de combustível fornecida ao motor pode ser ajustada instantaneamente com base nas condições de condução e na demanda do motor.

  • Desenvolvimento de velas de ignição com geometrias especiais - Nos anos 2000, as velas de ignição foram desenvolvidas com geometrias especiais, como eletrodos cônicos, eletrodos em forma de U e eletrodos em forma de V, para melhorar a eficiência de combustão e reduzir as emissões de poluentes.

  • Introdução de velas de ignição com eletrodos de platina e irídio duplo - Na década de 2010, as velas de ignição com eletrodos de platina e irídio duplo foram introduzidas, o que permitiu uma ignição ainda mais eficiente do combustível no motor. As velas de ignição de platina e irídio duplo também duram mais do que as velas de ignição convencionais e oferecem um desempenho superior em motores modernos de alta eficiência. Além disso, a combinação desses dois materiais permite uma ignição mais rápida e eficiente do combustível no motor, o que melhora o desempenho e a economia de combustível.

A história da vela de ignição do carro é um exemplo de como a tecnologia evolui ao longo do tempo, passando por diversas fases de desenvolvimento e aprimoramento. Desde a criação da primeira vela de ignição para uso em minas de carvão até as velas de ignição modernas com geometrias especiais e eletrodos de platina e irídio duplo, a evolução da tecnologia das velas de ignição tornou os motores a combustão interna mais eficientes e duráveis. A introdução de novas tecnologias, como a injeção de combustível e a injeção eletrônica de combustível, também desempenhou um papel importante nessa evolução. Hoje, as velas de ignição modernas continuam a ser aprimoradas para melhorar a eficiência de combustão e reduzir as emissões de poluentes, garantindo assim um futuro mais sustentável para a indústria automotiva.






121 visualizações0 comentário

Commentaires


bottom of page